segunda-feira, 18 de outubro de 2010

As Velas Ardem Até ao Fim - Sándor Márai

Em criança dois rapazes fazem-se amigos. Amigos, mas não fruto de uma amizade banal, trivial, sem significado! Se é que também a essas relações se pode chamar amizade!! Falo de uma amizade forte. Como irmãos.

Um dia, algo os separa e são necessários quarenta e um anos para se tornarem a encontrar. A vida levou  um dos amigos para o Extremo Oriente. O outro manteve-se a viver em casa, num pequeno castelo da Hungria. Após todo este tempo há muito para conversar, muito para perceber, muito para esclarecer. Quais terão sido os verdadeiros motivos que levaram a esta separação? Será que ambos os conhecem?

As velas ardem até ao fim é isto, uma conversa que decorre entre dois amigos enquanto as velas ardem.

Na minha opinião, este não é um livro excepcional, mas é um livro a não perder. Possui uma escrita exímia que permite uma leitura fluída, que poderá levar o leitor a pensar quais os verdadeiros valores de uma amizade. Será que todos nós vemos a amizade desta forma? Será que algum de nós agiria assim?

Este é um livro sobre o qual gostaria realmente de obter outras opiniões. Se já leu esta obra, comente este post. Ficaria muito contente em conhecer a sua opinião...

Págs. 153
Ref. ISBN: 978-972-20-2062-6
Editora: Publicações Dom Quixote

13 comentários:

Carlos Ademar disse...

Discordando um pouco do Marco, acho As Velas Ardem até ao Fim uma excelente obra literária. Não se limita a ser um livro de entretém - que também têm o seu espaço, diga-se. Este é mais do que isso, é um livro para ler devagar, degustar cada frase e até cada palavra. Está maravilhosamente escrito e, olhe, não há muitos assim. O escritor entra dentro das personagens e passa-nos toda a informação que considera interessante para que o leitor saiba o que vai no âmago daqueles dois amigos. O leitor é senhor de tudo isso devido à mestria do autor, Sándor Márai, que só após a queda do Muro de Berlim passou a ser conhecido no Ocidente.
Um abraço

Marco Caetano disse...

Olá Carlos!

É sempre com um prazer enorme que vejo os seus comentários.

Sobre este livro não queria deixar passar a ideia de que o achei medíocre. Não é de todo isso!
É um livro muito intenso. Diria mesmo que caso um dia eu decida reler um livro (algo pouco provável nesta fase da minha vida) este será um forte candidato.
Acho que foi mesmo o facto de me ter "tocado", é que me levou a pedir que partilhassem a vossa opinião comigo..

Obrigado por o ter feito!

Rosa disse...

Concordo com o Carlos Ademar, a profundidade, clareza e a sensibilidade do autor são muito pouco comuns. A historia não é o mais importante, a dimensão do drama que nos é transmitico é que o tornam num livro diferente. O talento de escrever sem barreiras, mesmo para quem era afectado por elas... Brilhante!

Paula disse...

Li As Velas Ardem até ao Fim e foi das melhores leituras que fiz até hoje, e porquê, porque fala da amizade de forma crua e verdadeira como ela é. Para os amigos é fundamental a palavra. Mesmo no momento difícil da vida, mesmo quando magoa a ambos, porque se a amizade não existisse então a tal conversa também não existiria. Por outro lado há coisas que só valem a pena falar-se no momento certo, na altura em que ocorreu a dúvida. Fora do tempo deixa de ter lógica! daí que no fim o diário tenha sido lançado à lareira. O único livro de Sandór Márai que amei! Os Rebeldes detestei e A Herança de Ezter achei um livro comum. Mas as velas ardem até ao fim é um livro GENIAL!
Abraço

Marco Caetano disse...

Paula,

Este é de facto um hino à amizade. Uma obra que não pode ficar por ler.
Curiosamente não é a primeira pessoa que ouço dizer que os outros livros do autor deixam um pouco a desejar.

Enfim, gostei de ler o seu comentário.
Continue a aparecer por cá!

Continuação de boas letras...

Grace disse...

Grande livro! É o livro ideal para oferecer aos amigos... aos verdadeiros!

Marco Caetano disse...

Grace,

Sem dúvida uma sugeestão muito interessante!
Obrigado!

miGuel pesTana disse...

Em 1º lugar tem um blogue muito acolhedor e senti-me em casa ;)

Em relação a este livro de Sándor Márai, eu li-o a uns tempos atrás e gostei, mas devo dizer que estava mais expectante, á espera de mais, pois tinho lido maravilhas dele. Gostei mas não qualifiquei-o de excelente.

Li outro dele, a uma semana atrás, "A herança de Eszter" que gostei muito mais do que "As velas ardem até ao fim".
Pode ver a minha opiniao acerca do livro no meu blogue

silenciosquefalam.blogspot.com

Saudações e boas leituras

e serei um seguidor assíduo deste blogue ;)

Marco Caetano disse...

Olá Miguel,

Obrigado pelas suas agradáveis palavras sobre o blogue. Gostarei imenso de o ver por cá!

Sobre estas velas, penso que está clara minha opinião! Gostei, mas não delirei!

Fica a sua sugestão!

Continuação de boas letras...

ichigochi disse...

Olá Marco, há quanto tempo... :)
Que tens feito, desde Coimbra?
Reparei que já tens este blog desde 2007, mas só hoje é que tropecei nele...

Em relação a este livro, li-o em 2009, através do bookcrossing, e gostei. Aqui fica a breve apreciação que fiz nessa altura (e a de outros bookcrossers por quem o livro passou):

http://www.bookcrossing.com/journal/7106450
(sou a ichigochi, claro)

Beijinhos,
Susana

Marco Caetano disse...

Olá Susana,

Tudo bem?
Ajuda-me a saber quem és!?

Obrigado pela visita e comentário!
Aguardo mais visitas...

Beijinho,
Marco

ichigochi disse...

Olá,

reconheci-te pela foto e pensei que se seguisses o link do BookCrossing também me reconhecerias pela minha...

Como reavivar-te a memória se ela é necessariamente diferente da minha? Como ajudar-te a fazer "click"?

Queima das Fitas de 2000 (o meu ano de fitada de Farmácia). Regresso da garraiada num comboio lotado... Estas imagens dizem-te alguma coisa? :)

Vou continuar a aparecer para comentar os livros que já ali ou que também vou lendo... É sempre bom ler opiniões sobre os livros
que conhecemos e ouvir sugestões de leituras que ainda não fizemos...

Beijinhos,
Susana

Marco Caetano disse...

Susana,

Naturalmente conseguiste fazer o click!
Engraçadas as voltas que a vida dá!

De facto quando vi a foto pensei na possibilidade de seres tu. Mas a incerteza aliada à localidade geraram desconfiança.

Enfim, gosto de te ver por cá! Vai aparecendo e comentando. Espero que gostes do que vou escrevendo...

Beijinhos,
Marco