sexta-feira, 9 de abril de 2010

A papisa Joana - Donna Woolfolk Cross

No mundo da literatura, como aliás noutros também, há determinadas perguntas que se tornam em clichés. "O que é para si um bom livro?" é uma delas. E aquilo que há partida pode ser uma pergunta difícil de responder, não o será efectivamente se tivermos presente "A papisa Joana".

Este livro prendeu-me do princípio ao fim ao ponto de algumas vezes já me doerem os olhos de tanto ler. Mas a vontade era muita e afinal estava a valer a pena. Não há que reclamar. Não é isso que pretendemos de um livro?

Tudo começa na primeira metade do séc. IX, quando numa família humilde nasceu uma menina de seu nome Joana. Numa época em que nascer mulher, significava ter uma vida inferior, ser menor, ser incapacitada, etc., para o pai de Joana, cónego da aldeia, considerou o nascimento da menina um castigo de Deus.

Joana nunca se conformou com a sua sorte. Mesmo sendo menina, desde cedo cultivou o gosto por estudar, aprendendo com o seu irmão mais velho, sempre às escondidas do pai. Um dia o seu irmão morreu e ela continuou sempre a ler e a aprender, mas agora sozinha.

Aproveitando a visita de um professor grego a casa de seu pai, Joana não perde a oportunidade de mostrar os seus dotes, conseguindo com isso aulas para si e para o seu irmão João, embora mais uma vez contra a vontade do pai. Estava dado o primeiro passo para aquele que tinha sido eleito o seu principal objectivo: aprender.

Mais tarde, por uma questão de sobrevivência, vê-se obrigada a fazer-se passar por rapaz passa a ser conhecida por João Anglicus. A história continua, e em breve torna-se padre e facilmente se depreende pelo nome do livro que chegará a ser papa. Pelo meio, um romance bonito que vale a pena acompanhar.

Muito mais haveria para dizer, mas o que realmente é importante reter é que A papisa Joana é definitivamente um livro a não perder.

Quando comecei a ler os últimos capítulos comecei a questionar-me sobre o que teria esta história de verdadeiro. Foi com enorme surpresa e satisfação que mais alguém pensou nisso e colocou um pequeno capítulo no final do livro a responder a esta questão.

Agora, uma pequena reflexão:
Não sei se reparam na descrição que fiz, mas o pai de Joana era cónego. Ou seja no séc. IX era comum cónegos, padres e bispos terem uma vida conjugal, filhos, etc. Porque é que doze séculos depois estamos neste assunto a evolução andou no sentido inverso?

Por último uma questão, sendo este livro tão bom, porque será que Donna Woolfolk Cross nunca mais escreveu nenhum romance?

Págs. 455
Ref. ISBN: 978-972-23-2641-4
Editora: Editorial Presença

7 comentários:

tonsdeazul disse...

Este livro é apaixonante!
Toda a envolvência, caracterização e descrição da época a própria força marcante da personagem principal, Joana não deixam margens para dúvidas que estamos perante um romance estonteante e que quando se começa a ler já não dá para parar.

Também gostei de encontrar no fim uma explicação às questões que me surgiram. Depois ainda fui pesquisar outras informações na internet e fiquei ainda a saber que o ano passado foi feito um filme baseado neste livro. Uma produção alemã, que não me lembro de ter passado em Portugal (com muita pena minha, pois o trailer parece-me muito bom. Deixo aqui o link para o caso de desconheceres: http://www.youtube.com/watch?v=yjiM4hNbheA).

Na igreja católica há muitas questões às quais não existem respostas com verdadeiro sentido. Essa questão é uma delas. Não se entende o porquê! Coisa que creio que a maioria dos religiosos aceitaria de bom grado que esses homens da igreja tivessem uma vida como um comum mortal.

Quanto à última questão... Pois, porquê? Eu não sei, tu sabes? :)

Jojo disse...

Este livro está há muito tempo no meu imaginário.Li-o há algum tempo um pouco à pressa porque o tinha de entregar na biblioteca mas marcou-me intensamente. uero muito adquiri-lo e voltar a lê-lo.Realizaram um filme baseado neste livro não sei se sabes. Deixo-te o link do trailer:

http://www.youtube.com/watch?v=UHQgTxTPjG8


Bjinhos*

Marco Caetano disse...

Este é sem dúvida um livro a não perder!

Gostei imenso de saber que foi feito um filme, mas não o consigo encontrar!! Já alguém o viu ou sabe onde arranjar?

Diana disse...

Li este livro recentemente e e fantástico!

Marco Caetano disse...

Sem dúvida, Diana!

Pode-se recomendar a um amigo sem ter medo de errar, não é?

Continuação de boas letras...

miGuel pesTana disse...

"doeram-te os olhos de tanto ler", achei piada :)

este é dos meus livros preferidos, de sempre.

Concordo contigo Marcelo, porque a autora ficou a penas neste livro, porque não brindou-nos com mais nenhum?

Não sei se sabes, mas este livro demorou muito tempo a ser escrito, pois a autora fez muita pesquisa sobre a época.

Joana foi uma heroína, sem dúvida e comparei-a com outra personagem de outro livro que li tb, o Rob do livro "O Fisico" de Noah Gordon.

Há um livro do autor Lawrence Durell com o titulo "Papisa Joana".Tenho muita curiosidade em le-lo. Não sei se conheces?


abraço

Marco Caetano disse...

Miguel,

Gostei imenso deste livro. Está no meu TOP de preferências.

Pode ser que a autora ainda nos brinde com outra surpresa! :)

Sobre a obra homónima de Lawrence Durell, apenas sei que acabou de ser editada pela Guerra & Paz. Ainda não li nenhuma crítica sobre ela.

Continuação de boas letras...